FOLHA | Em meio a confusão de conceitos, Supremo decide se existe direito ao esquecimento no Brasil

Julgamento deverá orientar outros tribunais; caso se refere a episódio de TV sobre crime dos anos 1950

​”Paulo Rená da Silva Santarém, professor do UniCeuB e integrante da Coalizão Direitos na Rede, entende que reconhecer o direito ao esquecimento por meio de uma decisão judicial poderia ter um efeito negativo.

Nós não temos no Brasil uma norma, uma lei vigente que assegure qualquer tipo de direito ao esquecimento. Nessa medida, essa construção por meio de uma decisão judicial seria muito ruim, porque ela deixaria tudo muito em aberto. E aí teríamos uma situação que podemos chamar de insegura, porque as pessoas não saberiam extrapolar essa decisão para uma outra situação.”

Leia matéria na íntegra

Print Friendly, PDF & Email

Atualizações da newsletter

Digite seu endereço de e-mail a seguir para assinar a nossa newsletter